Classificação das Doenças Pulpares e Periapicais

Navegue por aqui://Classificação das Doenças Pulpares e Periapicais
Classificação das Doenças Pulpares e Periapicais 2019-06-18T22:43:18+00:00

Em relação a fisiopatologia, as doenças da polpa são classificadas em regressivas ou inflamatórias. Considerando a morfologia do tecido pulpar inflamado são classificadas em: hiperemia pulpar, pulpite aguda serosa, pulpite aguda purulenta, pulpite crônica ulcerada, pulpite crônica hiperplásica e necrose pulpar. Segue abaixo a classificação das doenças pulpares em relação a dor e tratamento:

Hiperemia

É o acúmulo excessivo de sangue, resultando em congestão dos vasos. Possui como característica dor leve e moderada. Na fase inicial a dor é provocada e possui curta duração e desaparece após um pequeno espaço de tempo, quando se é eliminada a causa, que pode ser por substâncias ácidas, açucaradas, mudanças de temperatura.

Pulpite Reversível

Os pacientes apresentam um quadro de dor com intensidade leve a moderada, de curta duração a estímulos (calor, frio, alimentos doces ou ácidos). A dor não ocorre na ausência de estímulos e regride segundos após a sua remoção. Não são observados mobilidade ou sensibilidade a percussão. Radiograficamente a região periapical apresenta-se normal.

Pulpite Transacional

As dores se tornam intensas e o paciente necessita de analgésicos para eliminá-las. As dores são intermitentes, apresentam intervalos assintomáticos. A redução desses intervalos e a ineficácia dos analgésicos indicam a evolução para uma pulpite irreversível.

Pulpite Irreversível Sintomática

É a evolução da pulpite reversível, os pacientes apresentam dor aguda, acentuada após o estímulo e continua após a remoção. A dor pode ser espontânea ou contínua, e ser exacerbada quando o indivíduo abaixa a cabeça, por causa de maior aporte sanguíneo. No estágio inicial a dor pode ser facilmente relacionada ao elemento, nos estágios finais, a dor aumenta de intensidade como uma pressão pulsátil e pode levar a confusão na identificação do dente. Em fase avançada pode apresentar alívio da dor pelo frio e aumento da dor pelo calor.

Pulpite Irreversível Assintomática

Pode ser o resultado da passagem da pulpite irreversível sintomática ou resultar de um agente etiológico de baixa intensidade e curta duração como: erosão, atrição, abrasão, abfração, bricismo entre outros.

Pulpite Crônica Hiperplásica ou Pólipo Pulpar

Condição em que se apresenta grande exposição da polpa devido a destruição do esmalte e dentina pela cárie com ausência de dor espontânea.

Pulpite Crônica Ulcerada

Apresenta dor ao toque ou a mastigação. Como sinal apresenta cárie profunda com exposição pulpar (polpa com aspecto de úlcera).

Necrose e Gangrena pulpar

Todos os sintomas desaparecem e a polpa torna-se assintomática em decorrência da morte pulpar que pode ser resultante de uma pulpite irreversível não tratada, ou outros fatores como traumatismos que rompam o suprimento sanguíneo da polpa. A polpa necrosada pode ser conceituada como: Necropulpectomia tipo I, sem lesão visível radiograficamente, ou Necropulpectomiatipo II, com lesão radiograficamente visível. Não responde ao frio e, às vezes, responde dolorosamente ao calor, quando há comprometimento dos tecidos periapicais.

Após ou concomitantemente à necrose pulpar, ocorre a contaminação bacteriana, desenvolvendo-se uma patologia denominada gangrena pulpar.

Resumo Clínico Doenças Pulpares

DIAGNÓSTICOFREQUÊNCIANATUREZA DA DORSENSIBILIDADEASPECTO RADIOGRÁGICOTRATAMENTOPROGNÓSTICO
Pulpite aguda ReversívelCurta na presença de estímulosAguda provocadalocalizada e de curta duraçãoNormal
Lâmina dura intacta
Proteção pulpar indireta superficial e/ou profunda.
Proteção pulpar direta (capeamento) em casos de exposição pulpar acidental ou traumatismos com até 24 horas.
Favorável à polpa e ao dente.
Pulpite Aguda IrreversívelIntermitente (inicial)
Ininterrupta
Aguda Espontânea ( o paciente não consegue dormir à noite)Localizada e longa duração
Pode ser difusa e/ou reflexa
Intensa e pulsátil
Normal ou aumento do espaço periodontal apical
Lâmina dura intacta
Urgência: abertura coronária para exposição e sangramento pulpar e colocação de curativo.
Biopulpectomia
Dentes com rizogênese incompleta: Pulpotomia
Favorável ao dente
Pulpite Crônica UlceradaCurta na presença de estímuloAguda provocadaLocalizada e moderadaLigamento periodontal apical normal ou ligeiramente espessadoBiopulpectomia
Dentes com rizogênese incompleta: Pulpotomia
Favorável a polpa radicular remanescente (pulpotomia) e ao dente
Pulpite Crônica HiperplásicaCurta na presença de estímuloAguda provocadaLocalizada e de pequena duração
Moderada
Pode revelar comunicação direta da câmara pulpar com a cavidade cárie
Periodonto apical normal ou ligeiramente espessado
Dentes com rizogênese incompleta: Pulpotomia com remoção total do pólipo pulparFavorável a polpa radicular remanescente (pulpotomia) e ao dente
Pulpite Hiperplásica Crônica.
Fonte: Neville W. Brad, Damm D. Douglas PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL 4º EDIÇÃO, 2016

Classificação das doenças periapicais

No estágio de gangrena pulpar ocorre a inflamação do periodonto apical (periodontite apical ou pericementite).

Periodontite Apical Aguda (lesão endoperiodontal)

Caracteríza-se por dor contínua, quase sempre pulsátil, mobilidade dental, sensibilidade a percussão e às vezes pode ocorrer sensibilidade à palpação na área de mucosa. Pode ser de etiologia traumática (quedas, manobras iatrogênicas, pancadas) ou infecciosa (bactérias e toxinas atravessam o ápice atingem o espaço periodontal).

Abscesso dento-alveolar agudo

Acumulo de células inflamatórias agudas (purulentas) nos tecidos periapicais de um dente gangrenado ou necrosado. Dor e ruptura da lâmina dura.

  • Fase Inicial: dor intensa, espontânea, pulsátil e localizada. Mobilidade dental, sensibilidade a palpação (ápice radicular), dor a percussão e ausência de edema. Radiograficamente observa-se aumento do espaço periodontal
  • Fase em evolução: Agravamento do processo infeccioso, dor intensa espontânea e pulsátil, aumento da sensibilidade a percussão. Presença de edema consistente sem assimetria facial.
  • Fase Evoluída: coleção purulenta já perfurou o periósteo, invadindo os tecidos moles formando um edema. Pode levar a sintomas como febre, mal-estar, cefalélia. O exsudado purulento no compartimento dos tecidos moles profundos leva a produção de celulite.

Abscesso Crônico

Não apresenta sintomatologia, sendo detectado pelo exame radiográfico de rotina. É caracterizado pelas vias de drenagem por fístula, sulco periodontal ou para cavidade anatômica.

Abscesso Fênix

Processo Crônico que agudizou. Apresenta os mesmo sinais e sintomas do abscesso dento-alveolar agudo, com a diferença que a radiografia apresenta imagem de lesão periapical.

Periodontite Apical Crônica ( Granuloma Periapical)

Origina-se de um abscesso periapical não tratado ou que não foi curado após o tratamento e pode-se transformar em cisto periapical ou sofrer exacerbações agudas com a formação de abscessos.
A maioria dos granulomas periapicais é assintomática. O dente envolvido não apresenta mobilidade e o paciente não relata dor a percussão e o dente não responde aos testes de sensibilidade. Radiograficamente observa-se uma imagem radiolúcida circunscrita e de tamanho variável. O diagnóstico conclusivo do granuloma é obtido apenas pelo exame histopatológico.

Cisto Periapical

Origina-se no interior do granuloma periapical a partir da formação de uma cavidade revestida de epitélio. A maioria dos cistos possuem crescimento lento e não atingem grandes proporções, nos casos de grande crescimento podem ser observado uma tumefação e leve sensibilidade. Não apresentam sintomas, exceto quando ocorre uma exacerbação aguda e o dente de origem não responde aos testes de sensibilidade termico ou elétrico. Radiograficamente é idêntico ao granuloma periapical.

Esquema com o Critério Clínico das Alterações Periapicais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Referências

SAYÃO, Sandra Endodontia: ciência, tecnologia e arte: do diagnóstico ao acompanhamento, 2 Ed, Ed Santos, 2007.

LEONARDO, M. R. Endodontia: tratamento de canais radiculares. São Paulo: Artes Médicas, 2008.

error: