Componentes

Navegue por aqui:///Componentes
Componentes 2017-09-27T00:33:50+00:00

Para que seja possível realizar um correto planejamento é necessário conhecer os componentes de uma PPR, como as suas indicações, características e localização. Todo componente adicionado em uma PPR deve ter um motivo e uma aplicação.

A confecção de uma PPR tem como objetivos:

  • Restaurar a eficiência mastigatória, baseando-se nos princípios mecânicos e biomecanicos.
  • Restaurar a fonética, respeitando a área chapeável e o espaço anterior para que os sons sejam articulados corretamente.
  • Restabelecer a estética, estudando a forma, o tamanho, o posicionamento e a cor dos dentes para que seja o mais natural possível.
  • Proporcionar conforto ao paciente, é estabelecido pela literatura que 50% das PPRs realizadas não são utilizadas porque o paciente não se “acostuma com elas”.
  • Integrar ao sistema estomatognático, de forma a prevenir e não causar danos ao sistema estomatognático.
  • Preservar os tecidos remanescente, não apenas os tecidos de suporte mas todo o sistema estomatognático, sendo este protegido por oclusões saudáveis.

 

Selas

Podem ser Metálica, plástica ou metaloplástica. É o elemento que suporta os dentes artificiais à grade metálica e restabelece o volume do osso alveolar reabsorvido.

Nos casos de próteses dento-muco-suportadas a sela transmite força mastigatória à mucosa e o osso alveolar.

Nos casos de dento-suportadas a força oclusal é transmitida exclusivamente aos dentes de suporte e destes para o osso alveolar.

Dentes Artificiais

Pode ser em resina, porcelana, resina com superfície oclusal metálica.

Apoios

São elementos que apoiam-se sobre uma superfície dentária e proporcionam suporte vertical para uma PPR, impedindo que prótese desloque-se no sentido ocluso-gengival.

O apoios podem ser diretos (quando adjacentes ao espaço protético) ou indiretos (distantes do espaço protético, normalmente para proporcionar retenção indireta ou estabilidade) .

Devem ser apoiados em dentes preparados para que a sua espessura não cause interferência oclusal e que não fique apoiado sobre estrutura em um plano inclinado, que neste caso poderá transmitir forças não axiais ao dente, levando a trauma e mobilidade desse pilar.

Função dos apoios:

  • Suporte vertical (sentido ocluso-gengival)
  • Transmissão axial de forças aos pilares
  • Estabelecer o plano oclusal
  • Participar na retenção indireta e estabilidade
  • Estabilização horizontal (encaixes)
  • Impedir a extrusão de dentes sem antagonista

Tipos dos apoios:

  • Oclusal: para molares ou pré-molares, podem ser simples, duplo ou germinado
  • Cíngulo: caninos
  • Incisal: dentes anteriores

Retentores

Retentores são os elementos da PPR que impedem o deslocamento da prótese no sentido gengivo-oclusal. As principais forças que atuam no sentido desse deslocamento são a gravidade (para arcada superior), ação muscular, mastigação de alimentos duros e pegajosos, deglutição e fonação. Podem ser diretos ou indiretos, se contíguos ou distantes do espaço protético. Podemos obter retenção com retentor extra-coronário( grampos ) ou com retentor intra-coronário (atachments/encaixes).

Retentores extra-coronários ( grampos)

O princípio fundamental de um retentor orienta-nos que, estando o grampo assentado sobre o pilar, deve ter comportamento passivo, e só exercer esforço quando for solicitado frente às forças de deslocamento do sistema estomatognático ou nos atos de colocação e remoção da prótese.

Um retentor é composto de um apoio (fixação e suporte), um braço de retenção (retenção direta), um braço de oposição (reciprocidade e estabilidade) e um corpo do grampo (elemento de união).

O apoio, além de sua função de suporte da PPR como um todo, evita que o grampo sofra ação de forças mastigatórias no sentido ocluso-gengival, o que provocaria deformação excessiva e consequente fadiga prematura ou fratura dos braços do grampo.

O braço de retenção deve ser flexível, sua ponta ultrapassa a linha do equador dentário (onde vai buscar a retenção), e está situado mais frequentemente por vestibular (normalmente a superfície mais convexa). Pode, porém, estar situado na lingual, quando esta apresentar melhor retenção segundo o eixo de inserção da PPR.

O braço de oposição é mais largo e rígido, situa-se aquém ou sobre o equador protético, e localiza-se mais frequentemente por lingual (normalmente uma superfície mais plana). Como o nome diz, sua principal função é fazer oposição às forças laterais produzidas pelo braço de retenção quando este é solicitado. Desta forma, o dente é mantido em posição pelo braço de oposição, o que força o braço de retenção a se deformar, poupando o dente dessa força lateral, danosa ao periodonto.

Esse princípio seria melhor reproduzido na boca, se durante todo o trajeto de inserção da PPR o braço de oposição estivesse em contato com o dente. Quanto mais plana for a superfície do dente junto ao grampo de oposição, melhor a eficiência deste. A essa superfície, que orienta a inserção da PPR e melhora o contato do grampo de oposição, é chamado de plano-guia.

Os planos-guia podem existir naturalmente, ou ser melhorados, através de pequenos desgastes a nível de esmalte. Quando os pilares são coroas totais os planos-guia são planejados e executados já fresados nas coroas. Pode-se também utilizar de planos guia nas superfícies proximais dos dentes pilares, principalmente quando estes estiverem inclinados, para minimizar a “área morta” resultante da inserção da PPR., na região cervical.

Tipos de grampos :

  • Circunferenciais: Partindo do apoio oclusal, na direção ocluso-gengival. Indicadas para próteses dento-suportadas.
  • Ação de Ponta: Partindo diretamente da sela , na direção gengivo-oclusal. Indicadas para próteses muco-suportadas.

A ação retentiva do grampo é modificada pela maneira com que alcançam as áreas retentivas. Dessa forma, os grampos circunferenciais deslizam mais facilmente pela superfície ( quando submetidos a uma força de remoção) comparados aos grampos de ação de ponta. STONE, descrevendo esse efeito dos grampos de ação de ponta, fez uma analogia pertinente, alegando ser mais fácil arrastar uma tábua sobre um plano inclinado que empurrá-la sobre o mesmo plano. Apesar de alguma controvérsia , é quase que unanimidade a idéia de que os grampos de ação de ponta apresentam maior retenção que os circunferenciais.

Grampos de ação de ponta ( Roach)

Os grampos T e I não são usados em extremos livres  quando o paciente apresenta coroa clínica muito longa, ou o rebordo do dente suporte muito retentivo. Nestes casos os grampos ficariam muito afastados da mucosa causando muito acúmulo de alimento, desconfortável para o paciente. Podemos usar então grampos geminados em pré-molares, ou um grampo em Y longo( para caninos e incisivos)

Dentre os vários grampos idealizados por Roach, em 1930, os mais utilizados são os seguintes:

  • Grampo T
    • pontas retentivas nas proximais da face vestibular.
    • associado sempre a um grampo de oposição por lingual ( ou Y ou semi-circunferencial)
    • Indicações: Caninos, pré-molares e incisivos, em extremos livres, cl. I e II de Kennedy
  • Grampo I
    • ponta retentiva na face vestíbulo-proximal contígua ao espaço protético
    • associado a um grampo de oposição por lingual ( Y / semi-circunferencial ), é mais curto, rígido, e menos retentivo que o T.
    • Indicações: mesmas do T, porém usa-se quando se requer mais estética.
  • Grampo 7 ou ½ T ou S
    • é uma variação do T
    • associado a um grampo de oposição ( semi-circunferencial)
    • Indicação: pré-molares com extremo livre, por conveniência estética, para diminuir o volume, ou em função do equador protético. 
  • Grampo Y:
    • é um grampo combinado. Posiciona-se sempre por lingual.
    • Indicação: caninos e incisivos, como oposição a um grampo T ou I, ou mesmo para retenção( pequena) e oposição simultânea.
    • Foi idealizado com dois braços que partem de um conector menor na região central da face lingual e dois apoios incisais. Pode conseguir retenção friccional através de plano-guia na proximal.

   Grampos circunferenciais ( Ackers)

Os grampos circunferenciais tem como forma básica um braço vestibular e outro lingual, que se originam de um corpo comum. O braço de retenção vai se afilando na ponta, à medida que ultrapassa o equador protético. O braço de oposição é mais largo, mantém sua largura uniforme ( para proporcionar rigidez.), e não ultrapassa o equador protético, portanto não confere retenção. Sempre estão associados a um apoio. São os mais indicados em próteses dento-suportadas.

  • Grampo circunferencial simples ( Ackers ):
    • composto de um apoio oclusal contíguo ao espaço protético e dois braços partindo do apoio em direção à outra proximal, onde um braço vai buscar a retenção.
    • Indicação: em dentes posteriores, próteses dento-suportadas ou áreas dento-suportadas (uma modificação de uma classe II, por exemplo, no lado dento-suportado)
  • Grampo circunferencial invertido
    • o apoio oclusal encontra-se oposto ao espaço protético, e os braços partem em direção ao espaço.
    • Indicação: a mesma do circunferencial simples, usado quando a retenção favorável estiver na proximal contígua ao espaço protético.
  • Grampo semi-circunferencial
    • só tem um braço por lingual, partindo do apoio.
    • Indicação: em pré-molares ou caninos pré-molarizados, como oposição a um grampo tipo Roach ( em extremos livres) . Pode ser usado também como retentor, quando a prótese for dento-suportada, a retenção exigida não seja grande( pequeno espaço protético), e deseja-se melhor estética.
  • Grampo geminado ou duplo
    • são grampos circunferenciais unidos pelo apoio ( retenção nas proximais opostas), ou unidos pelo braço de oposição ( retenção nas proximais adjacentes).
    • Indicação: em molares e pré-molares, no lado dentado das classes II e IV. É um grampo de eleição para se obter retenção indireta.

Grampo de Ottolengui

É uma modificação do grampo circunferencial. Tem dois apoios (mesial e distal) ligados pelo braço de oposição, e um braço de retenção que parte do conector menor e vai pela face vestibular até a área retentiva.

Indicação: pré-molares e molares isolados entre dois espaços protéticos, intercalados por dentes ( PPR dento-suportada).

Grampo de Queirelhac

Possui duplo apoio oclusal, com conectores duplos. O grampo de retenção fica no lado lingual e dispensa o grampo de oposição, sendo mais estético. Imagina-se que a estabilização da posição do dente seja conseguida através dos dois apoios, o que pode ser questionável.

Indicação: a mesma do Ottolengui, porém mais estético.

Grampo de Gillet

É um grampo circunferencial que possui o braço de retenção longo e elástico.

Indicação: molares em que a zona retentiva fica próxima da borda gengival, junto ao apoio, e que por algum motivo não seja conveniente mudar a localização deste apoio. 

Grampos compostos

Grampo contínuo de Kennedy

É formado por 2 grampos Y, um em cada canino, unidos por uma barra dentária por lingual nos incisivos. Pode ter seus princípios melhorados se forem confeccionados nichos linguais em todos os anteriores, e se os caninos forem pré-molarizados.

Indicação: para estabilizar ( retenção indireta) próteses de extremidade livre, evitando deslocamento da sela no sentido gengivo-oclusal. Auxilia também na estabilização lateral. 

Grampo RPI

É composto de um apoio oclusal na mesial do dente suporte ( R do inglês “rest”), uma placa proximal distal ( P, de proximal ), e um retentor tipo I. O apoio por mesial elimina a pressão de distalização que o dente recebe quando o apoio é colocado na distal. O retentor tipo I tende a mover-se mesio-gengivalmente, afastando-se do dente, quando a extensão distal da PPRsofre carga, bem como a placa distal. A placa distal deve ser situada sobre um plano guia, determinado apenas na metade mais oclusal da face distal, para permitir que seja liberada quando a extensão distal da PPR receber carga. O apoio mesial com seu conector menor associados à placa distal, oferecem a necessária reciprocidade, dispensando o braço de oposição por lingual. Indicado em extremidades livres. .

obs. Existe também o grampo RPT, uma variação usando como retentor o grampo T.

Conectores Maiores

São os componentes que ligam outros elementos de um lado do arco dental ao outro, auxiliando no suporte e estabilização da PPR, garantindo a eficiência dos demais componentes.

Características:

  • Rigidez: para distribuir bilateralmente as cargas, resistência a torção e fraturas.
  • Não traumatizar a mucosa durante a instalação e remoção.

Tipos de conectores maiores superiores:

  • Barra palatina única
    • Indicação: Classe III, áreas desdentadas posteriores curtas e bilaterais.
  • Conector em “U”
    • Indicação: Classes III e IV com espaços protéticos pequenos.
    • Quanto maiores os espaços protéticos, mais largo e espesso deve ser o conector maior para proporcionar rigidez. Sendo assim um conector em forma de “U” necessitaria de bastante volume justamente na área de rugosidades palatinas ( onde a língua necessita de maior liberdade ). 
  • Conector Combinado ( anterior e posterior)
    • Indicação: praticamente universal, classes I, II, III e IV.
    • É o mais rígido dos conectores palatinos maiores, estruturalmente falando. Combina um conector anterior e um posterior. É especialmente indicado em casos dento-muco-suportados, pela rigidez que proporciona e também pelo apoio do conector posterior sobre osso basal (maxila) . O osso basal da maxila (diferente do osso alveolar) não reabsorve e proporciona um suporte adicional para a estrutura da PPR ao longo dos anos.
  • Placa palatina
    • Indicação: casos severos de PPRs classes I e II
    • Em casos onde temos poucos remanescentes dentários, necessitamos do conector maior para auxiliar no suporte, retenção direta e indireta da PPR. Nesses casos a placa palatina é indicada, sendo um recobrimento total do palato que proporciona também suporte sobre osso basal. Deve ser delgada e reproduzir as rugosidades palatinas. Nas áreas dentadas mantém o afastamento de 6 mm da margem gengival.

Tipos de conectores maiores inferiores:

  • Barra Lingual
    • Indicação: praticamente universal, classes I, II, III, e IV
    • A barra lingual é a forma clássica de conector maior inferior. Tem forma de meia-pêra, sendo o bordo mais volumoso no lado inferior ou lingual. Deve manter-se afastada da margem gengival 3 a 4 mm, para não comprometer a irrigação sangüínea, mas ao mesmo tempo não deve interferir com os tecidos móveis do assoalho bucal. Possui largura média de 4 mm, e deve ser tanto mais espessa quanto mais longa for, para propiciar rigidez.
  • Placa lingual
    • Indicação: quando não houver espaço suficiente para barra lingual (assoalho raso)
    • Quando desejamos aumentar a retenção indireta ( extremos livres )
    • quando existe expectativa de perda de algum dente anterior (pode-se então facilmente fixar um dente artificial à placa lingual)
    • Para contenção periodontal
    • Na presença de tórus mandibular.
  • Splint Lingual
    • Indicação: a mesma da Placa Lingual
    • O Splint Lingual localiza-se no terço médio e cervical dos dentes anteriores, mas não chega até a gengiva marginal. Em dentes anteriores reabilitados com próteses fixas é mais facilmente programado, já que pode-se fazer o preparo prévio das superfícies linguais em forma de degrau, acomodando melhor esse conector.

Conectores Menores

São os elementos da PPR que unem o conector maior e a base com as demais partes. Transferem as forças funcionais aos dentes pilares e ao mesmo tempo transferem o efeito dos retentores e apoios ao restante da PPR. Tem a função de estabilizar a prótese, e de guia-la durante sua inserção e remoção.

Pode ser:

  • Diretos: localizados adjacentes ao espaço protético
  • Indiretos: localizados distantes do espaço protético

 

Referências Bibliográficas

McGIVNEY, G. P., CASTLEBERRY, D.J. Prótese parcial removível de McCracken 12ª Ed. São Paulo: Artes Médicas, 2011. (3)

FIORI, S. R. Atlas de Prótese Parcial Removível. Livraria Pancast, 4ª Edição Ampliada, 1993

error: